Acorde cedo, olhe para o teto, coce os olhos e sente-se na cama.
Faça o sinal da cruz, pense nos seus pais, inspire profundamente e diga amém.
Caminhe com dificuldade, não levante a tampa e urine cuidadosamente.
Abra a geladeira, pegue o leite velho, encha um copo e beba, ainda gelado.
Calce o sapato apertado, abotoe a camisa e não se esqueça de vestir um sorriso.

Vá ao metrô, passe a catraca, se aperte para entrar e perca seu sorriso.
Ouça uma discussão, aumente o volume nos fones e finja ser demente.

Sente-se no seu canil, coloque a coleira com seu nome no pescoço e coma sua ração.
Almoce calmamente. É o único momento do dia que você vai exercer sua humanidade. Acredite.
Olhe para o relógio, desligue seu computador e caminhe até o metrô.
Ouça uma discussão, boceje e finja ser demente.

Retire o sapato apertado, desabotoe a camisa e não se esqueça de tirar o sorriso.
Abra a geladeira, pegue uma cerveja e tome tudo, enquanto ela está gelada.
Caminhe com dificuldade, não levante a tampa e urine no chão.
Agradeça por estar vivo, solte o ar, pense nos seus pais, faça o sinal da cruz,
sente-se na cama, coce os olhos, olhe para o teto. Boa noite.