Faça um teste: durante seu trajeto para o trabalho, não utilize fones de ouvido e nem use seu celular. Apenas observe tudo ao seu redor. Você verá barulho, pessoas fascinadas por uma tela e muita, mas muita conversa sobre trabalho. Reparou como todos os dias, em todos lugares, o assunto é trabalho?! É a roupa de um que está errada, a atitude do outro, o cabelo do outro, o salário do outro, o horário do um, e por aí vai. A única explicação é que estamos doentes. Estamos viciados nisso: trabalhar cada vez mais, para comprar cada vez mais e viver cada vez menos. Nos ensinaram assim e assim vamos morrer. Morar em São Paulo é isso. Somos 11 milhões: Abusados, estuprados, devedores, soterrados, cansados, cansados, cansados. Escravos sem correntes, com dívidas no banco. Pagamos para assistir, pagamos para ler, pagamos para andar, pagamos para estar, pagamos, pagamos, pagamos. São Paulo está cara. Enquanto nos abusam, reparamos na roupa que está errada, a atitude do outro, o cabelo do outro, o salário do outro, o horário do um. Agora preciso ir, estou atrasado…